Notícias

Homenagem de Aldo aos 69 anos da República Popular da China

Discurso proferido pelo secretário-chefe da Casa Civil do governo do Estado de São Paulo, Aldo Rebelo, por ocasião da celebração dos 69 anos da República Popular da China.

O Brasil e a China escrevem juntos uma página importante de cooperação econômica, cientifica, tecnológica, diplomática e cultural. O Brasil já tem na China o seu mais importante parceiro comercial; com a China estabelecemos a mais vitoriosa cooperação científica e tecnológica na construção do Satélite Binacional que hoje ajuda no desenvolvimento dos dois países; da China trouxemos o Instituto Confúcio para divulgar o idioma e a cultura chinesa entre nós, ao mesmo tempo em que vinte universidades chinesas já adotam o ensino do português. O Brasil e a China cooperam nas Organizações Multilaterais por um mundo que tenha no desenvolvimento pacífico entre as Nações, e não na guerra, a sua maior ambição.

Assim, neste ambiente, e com esta perspectiva, o Brasil e São Paulo celebram o 69º aniversário da fundação da República Popular da China em 1949. A ascensão da China é o mais importante fenômeno econômico e geopolítico neste início de século. Maior economia do mundo até 1820, a China passou por um longo período de declínio entre meados do século XIX e metade do século XX. Foram mais de cem anos entre a primeira Guerra do Ópio, em 1839, e a Revolução Socialista, em 1949, quando a China se deparou com agressões externas, conflitos internos e exploração do País e do povo pelas potências coloniais da época.

A China nunca foi um Estado belicista com vocação imperialista. Mais que um estado-nação, no sentido que atribuímos ao termo no Ocidente, é um estado-civilização, com mais de cinco mil anos de história, aberta, multiétnica, duradoura e inclusiva, que já deu grandes contribuições em vários domínios ao desenvolvimento da humanidade.

Em recente reunião com o Embaixador Li Jinzhang, apresentei, em nome do governo do Estado de São Paulo, a ideia de um amplo e ousado programa de cooperação entre São Paulo e a China, como parte do esforço de cooperação entre o Brasil e a nação chinesa. Tal programa envolveria iniciativas de curto, médio e longo prazos nos domínios da economia, do comércio exterior, da ciência e da tecnologia, da educação, do esporte e da cultura. Já é tempo de trabalharmos com determinação e afinco para ampliarmos e consolidarmos os laços que prendem o Brasil, São Paulo e a China a um futuro de prosperidade e bem-estar.

Desejo, enfim, agradecer ao Consulado Geral da China em São Paulo pelo concerto da Orquestra Sinfônica de Zhejiang, e reafirmar os votos de êxitos à Nação Chinesa e de amizade entre o povo brasileiro e o povo chinês e entre o Brasil e a China.

O discurso foi proferido no dia 1 de outubro de 2018, no Teatro Sérgio Cardoso, antes da apresentação da Orquestra Sinfônica de Zhejiang, em evento organizado pelo Consulado Geral da República Popular da China em São Paulo.

Aldo Rebelo com a Orquestra Sinfônica de Zhejiang nos 69 anos da República Popular da China

 

 

 

Entrevistas